Recreio
Busca
Facebook RecreioTwitter RecreioInstagram Recreio
Entretenimento / Walt Disney

Qual foi a primeira princesa a ser produzida sem Walt Disney?

Descubra qual foi a primeira princesa produzida pelo estúdio após a morte de Walt Disney, datada em 15 de dezembro de 1966

por Daniela Bazi

Publicado em 14/07/2024, às 12h00 - Atualizado em 19/07/2024, às 11h09

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Walt Disney em vídeo sobre o Walt Disney World - Reprodução/Youtube/Disney Parks
Walt Disney em vídeo sobre o Walt Disney World - Reprodução/Youtube/Disney Parks

Walter Elias Disney, mais conhecido apenas como Walt Disney, é um dos cineastas mais revolucionários e importantes do universo da animação mundial. Ao lado de seu irmão, Roy Disney, fundou aquela que se tornaria uma das principais companhias de entretenimento do mundo: a The Walt Disney Company.

Por anos, Walt e sua equipe produziam apenas curtas animados, lançando produções como “Oswald, o Coelho Sortudo” (1927) e “Steamboat Willie” (1928), que se tornaram extremamente populares entre o público. Porém, no ano de 1934, Disney teria a ideia que mudaria a história de sua carreira: realizar o primeiro longa-metragem de animação.

Foi desta forma que, em 1937, chegou aos cinemas “Branca de Neve e os Sete Anões”, o primeiro filme animado no formato longa-metragem da história, e o primeiro a ser feito inteiramente em cores. Ali, também marcava o início de uma das maiores franquias já lançadas pela empresa: a das Princesas Disney.

Branca de Neve
Branca de Neve e príncipe Florian / Crédito: Reprodução/Disney

Graças ao gigante sucesso de Branca de Neve, Walt teve a oportunidade de lançar obras como “Pinóquio” (1940), “Fantasia” (1940), “Dumbo” (1941) e “Bambi” (1942). No entanto, o estúdio entraria em uma grande crise gerada após o início da Segunda Guerra Mundial.

Como muitos de seus funcionários estavam servindo na guerra, e devido à situação do país com o conflito, o público não tinha interesse em ir ao cinema assistir animações, causando sérios problemas aos cofres da Disney, já que filmes lançados nessa época se tornaram um grande fracasso de bilheteria.

O estúdio foi salvo graças ao lançamento de “Cinderela”, considerada por muitos como a princesa favorita de Walt Disney. O novo filme repetiu o sucesso de “Branca de Neve”, e hoje já acumula mais de 263,6 milhões de dólares em bilheteria.

Cinderela
Cena de 'Cinderela' (1950) /Crédito: Reprodução/Disney

Nove anos após a chegada do filme sobre a Gata Borralheira, a Disney lançaria seu último filme de princesa com seu fundador: “A Bela Adormecida”, em 1959. Apesar de hoje ser considerado um clássico, o longa não teve uma boa recepção em sua estreia, arrecadando apenas 5 milhões de dólares em bilheteria, conforme repercutido pelo G1.

Por esse motivo, Walt Disney decidiu que daria uma pausa nas adaptações de contos de fadas. Além disso, na década de 50, a Disney estava expandindo seus negócios e havia acabado de inaugurar a Disneyland, na Califórnia, e ainda possuía planos para a inauguração de um novo parque em Orlando — mas, infelizmente, Walt não conseguiu ver seu novo empreendimento.

No ano de 1966, Disney foi diagnosticado com câncer no pulmão. Segundo o jornal El País, ele chegou a ser operado em novembro do mesmo ano, porém, não foi o suficiente para deter a doença. Duas semanas depois, em 15 de dezembro, o pai de Mickey Mouse faleceu no hospital Saint Joseph, em Burbank, aos 65 anos.

Crise

Com a morte do fundador, o estúdio entrou em uma fase conhecida pelos fãs como Era de Bronze, ou Era Sombria. Nesse período, a Disney passava por grandes problemas de estrutura narrativa em seus filmes, além de ter apresentado uma nova forma de animação que não foi muito recebida pelo público.

Novamente, a empresa passava por sérios problemas econômicos. Para tentar reverter a situação, a equipe decidiu voltar a apostar na adaptação de contos de fada: foi assim que surgiu “A Pequena Sereia”, a primeira princesa lançada sem a participação de Walt Disney.

A Pequena Sereia
Ariel em cena de "A Pequena Sereia" /Crédito: Reprodução/Disney

A trama que acompanha a história da sereia Ariel chegou 30 anos após o último lançamento de princesa, com “A Bela Adormecida”, sendo uma adaptação menos sombria do conto de Hans Christian Andersen.

Com a chegada de “A Pequena Sereia”, é marcado o início do período conhecido como Era do Renascimento, onde o estúdio voltou a produzir filmes de animação de sucesso. Entre os títulos divulgados nessa época, temos ‘A Bela e a Fera’ (1991), ‘Aladdin’ (1992) e ‘O Rei Leão’ (1994).